History
Icon-add-to-playlist Icon-download Icon-drawer-up
Share this ... ×
...
By ...
Embed:
Copy
460>_684845

Mais um programa especial. Depois de um longo período de ausência, resolvi fazer um set só de pedradas jazzísticas com grandes clássicos da música norte-americana. Ressaltando que não houve uma intenção em delimitar estilos, seguir o desenvolvimento cronologicamente de forma linear, a única preocupação foi selecionar grandes instrumentistas e orquestras em seus períodos mais profícuos, mais nada.

Assim, começo com a mais pesada de todas as Big Bands, Count Basie e seus companheiros de várias noitadas em Kansas City, vale lembrar que uma das maiores lendas do jazz, Lester Young foi o sax tenor de Basie, refererência absoluta de dez entre dez saxofonistas de jazz, de Charlie Parker à Sonny Rollins e Coltrane, vale à pena notar o vigor dos seus solos arrasadores e sempre bem acompanhados por Basie. Para quem quiser se aprofundar mais, indico o filme de Robert Altman, Kansas City, onde vocês poderão acompanhar as noites conturbadas e quentes da cidade em questão, a trilha sonora do filme fica por conta de Count Basie Orchestra ( interpretada por excelentes músicos )que toca às noites todas no club subterrãneo da cidade. O filme trás ainda um duelo insano entre Lester Young e Coleman Hawkins, - a outra grande referência dos saxofonistas de jazz -, confronto este assistido por ninguém menos que um menino, cujo sobrenome é Parker e que logo viria a ser um dos maiores jazzman do século. A faixa que aqui apresento de Basie é Every Tub do álbum Basie Boogie.

Outro grande nome do Jazz, Duke Ellington, vem na seqüência, com grande sensibilidade e peso, Boo Dah é um estrondo suave e noturno que com solos metálicos compõem uma obra prima verdadeiramente moderna e norte-americana.

J. J. Johnson é representado aqui com a faixa Neo, com seu potente trombone é acompanhado por Harold Mabern no piano, Arthur Harper no baixo e Frank Gant na bateria. Neo é uma inegável evidência (Proof Positive) de que o jazz, a despeito das críticas acadêmicas, consolidou-se como um estilo autêntico e legítimo da música contemporânea.

Em seguida, uma faixa de um dos discos que considero um dos dez mais importantes da história do Jazz, a faixa é Dear Old Stokholm, o álbum é Round About Midnight e os interpretes; John Coltrane – sax tenor, Red Garland – piano, Paul Chambers – baixo e Philly Joe Jones na bateria, são liderados pelo mais sensível trompetista e bandleader da história do jazz , Miles Davis.

Já que Coltrane aparece na faixa anterior, nada melhor do que uma composição em que este aparece liderando seu próprio quarteto, em uma das suas fase mais profícuas e originais, Coltrane compõe Song of the Underground Railroad. Aqui a música é executada por Coltrane no sax tenor, McCoy Tyner no piano, Reggie Workman no baixo, Elvin Jones na bateria, e uma curiosidade todas as faixas deste álbum, The Complete Afrika/Brass Sessions, são conduzidas por Eric Dolphin.

Continuando nossa agradável viagem por esta estrada férrea e sinuosa jornada nos deparamos com outro mestre, Charles Mingus e uma pedrada atordoante, Boogie Stop Shuffle, com o peso e a exuberância única de Mingus que avança com ritmos inusitados. Infelizmente, não posso colocar o trabalho todo, mas fica aqui indicado outro disco fundamental do Jazz, Mingus Ah Hum, sua audição é obrigatória.

Agora quem se apresenta por meu intermédio é Sonny Rollins, um dos grandes saxofonistas dos 50-60. Um artista inquieto sempre recriando-se a si mesmo sem se diluir em suas recriações. Solos objetivos e swingados, espirituais e extrovertidos que apresentam um músico conseguindo equilibrar os mais antagônicos paradoxos. Acompanhado por músicos do porte de Max Roach na bateria, Tommy Flanagan no piano e Doug Watkins no baixo compreendemos que a música é uma linguagem capaz de estabelecer a comunicação e a sintonia entre almas de uma modo que possivelmente nenhuma outra linguagem pode fazer.

Finalizando, um dos nomes mais injustiçados da história do jazz, pouco reconhecido, morto jovem, talento precoce. Lee Morgan é um nome que rivalizaria com o próprio Miles davis, se este é agraciado com uma sensibilidade única, Lee Morgan é detentor de uma precisão inigualável. O brilho dos solos de trompete inconfundível foi apagado em 19 de fevereiro de 72, morto pela amante com um tiro no coração, morreu sobre o palco, sendo seu último sopro uma nota expelida pelo trompete. Aos 33 anos deixou um fértil legado que aos poucos estou conhecendo. Acompanhado por nomes como Wayne Shorter, sax tenor, Grant Green na guitarra e Herbie Hancock no piano criaram o álbum Search for the New Land, outra pérola recomendada a todos.

Bem, fico por aqui e espero que gostem da novidade, ficaria mais feliz ainda se deixassem suas opiniões e sugestões sobre um podcast, agradeço a visitae as sugestões.

Falou.

1. Count Basie – Every Tub
2. Duke Ellington - Boo Dah
3. J. J. Johnson – Neo (Proof Positive -
4. Miles Davis Quintet – Dear Old Sotckholm
5. John Coltrane Quartet – Song of the Underground Railroad
6. Charles Mingus – Boogie Stop Shuffle
7. Sonny Rollins – Strode Rode
8. Lee Morgan – Mr Kenyatta

[PLAY]
460>_684846

01 - Sweet Charles - Hang Out & Hustle
02 - Lonnie Smith – Move Your Hand
03 - George Freeman – The Bump
04 - The Vibrettes – Humpty Dump
05 - Tim Maia – Rodésia
06 - Joe Thomas – Thank You
07 - Beastie Boys - Shambala
08 - Trio Mocotó – Nago
09 - Nkengas – Jungle Funk
10 - Reuben Wilson – Inner City Blues
11 - James Brow – Mind Power
12 - Pleasure Web -Music Man

[PLAY]
460>_684847

Bem, depois de repostar todos os sets que eu fiz agora vai mais um, desta vez uma coletânea de old schools e new beats, grooves e funks de primeira, difícil mesmo é ouvir isto tudo sentado. Para começar uma preciosidade, esta que foi lançada em cd, Prophecy, um old school de raiz mesmo, depois o nosso falecido James Brown que deve estar sendo residente em alguma balada em outra dimensão. Enfim, tem muita coisa, mas quero dar destaque especial à Quantic Soul Orchestra, galera, que som é este??? Como dizia a minha avó...” me diga com quem tu andas e eu lhe direi quem tu és!”, a velhinha estava certa, olha no que deu esta Spanky Wilson junto com os caras....e ainda tem gente que consegue ficar parada ouvindo este som, eu acho que é impossível! Na seqüência temos o PHD em funk; Dr. Rubberfunk, este que é bem conhecido dos rachas internacionais de break. Bem, tem bastante coisa boa ai para vocês curtirem, espero que gostem bastante.

1. Prophecy - Betcha Can't Guess My Sign. (Mainstream)
2. James Brown - Blind man Can See It – Black Caesar Original Soundtrack (Polydor)
3. Tao of Groove – One More Time – Nu Jazz Sessions 2 (Groove Gravy Records)
4. Natural Self – The Sound – Party Keller Vol. 2 (Compost)
5. Johnny Bristol - Lusty Lady (Fast Version) – Feeling The Magic (Polydor)
6. Steinski & Mass Media - It's Up To You -– Solid Steel - Herbal Blend (Ninja Tune)
7. Quantic Soul Orchestra feat Spanky Wilson – Don’t Joke With a Hungry Man – The Kings of Funk - Compiled by Keb Darge and The Rza. (Rapstar)
8. Dr. Rubberfunk - Recipe For The Perfect Afro –
9. Breakestra - At The End Of The Day – Hit the Floor (Ubiquity)
10. Sonny Stitt - Slick Eddie – Pulp Fusion V. 3.
11. Chris Joss - Lesson One – Dr Rhythm (http://chrisjoss.free.fr)
12. Ripple – I Don´t Know - 70s Funk and Soul Classics (Griffin Music)
13. Lyn Collins - Mama Feel Good - Mama Feel Good – (Umvd Import)

[PLAY]
460>_684848

Saudações a todos, aqui vai mais uma repostagem, desta vez tentando ser mais eclético. Este foi o último set postado no meu blog, mais uma chance para quem não ouviu....

1. Chris Joss – No Sampling Allowed - Dr. Rhythm - La Douce. (http://chrisjoss.free.fr/)

2. Bonobo – Sugar Rhyme - Ninja Tunes - (bonobomusic.com / myspace.com/sibonobo)

3. Rainer Truby, Truby Trio - Donaueschingen [Peter Kruder's Donaudampfschifffahrtsgelellschafts]. - The K&D Sessions - k7 - (http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&token=&sql=10:9dxsa93gi23s)

4. Terranova – Five Days – Dj Kicks- k7.(http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=10:gcfwxqljldse)

5. Cinematic Orchestra - The Revolution - Ninja Tune - ( Air – All I Need)
(cinematicorchestra.com
myspace.com/thecinematicorchestras)

6. Stero MC´s – Rhino Part II - Dj Kicks - K7. (http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=10:wvfoxqtkldke)

7. Bentley Rhythm Ace – Bentley´s Gonna Sort You Out - - Bentley Rhythm Ace - Skint. (http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=10:gifwxq8jldfe)

8. The Herbaliser – Real Killer -Cold Krush Cuts/Back in the Base - Ninja Tune -(herbaliser.com
myspace.com/herbaliser83).

9. Chris Joss – The Gnomes - Dr. Rhythm - La Douce. (http://chrisjoss.free.fr/)

10. Bonobo – Change Down - Dial M For Monkey - Ninja Tune. ( (bonobomusic.com / myspace.com/sibonobo)

11. Cassius – Club Soixante Quinze - 1999 -Virgin.
(http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&token=&sql=10:0nftxqyjldse)

12. Monodeluxe – Right on Time - So Far... - Little Angel. (http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=10:f9fyxq8sldse)

[PLAY]
460>_684849

Uau…muito interessante estas brincadeiras, estou gostando disso…então aqui vai um novo set, dessa vez uma pequena caminhada pela afrobeatjazzfunkeletronicmusic.

Começando com um som que não sai da minha cabeça, Sorry Sorry do rebento de Fela Kuti, Femi Kuti. Muito boa a pegada e só serve para demonstrar que a sabedoria popular não erra, “filho de peixe, peixinho é”! Na seqüência vai uma remixagem do som de Hugh Masekela, por Carl Craig, The Boys Doin ' It ?. Aqui temos dois nomes significativos, Masekela - músico sul africano, que assim como milhares de talentosos artistas africanos, migrou para a Europa, Londres, e depois para os EUA, encontrando um efervescente cenário musical, e Craig, este oriundo de Detroit, um caldeirão da música eletrônica norte-americana. Dj multiversátil que transita por vários estilos, desde o House tradicional até o Detroit–Techno e que resolveu prestar um tributo significativo ao velho Masekela. A fusão entre o eletrônico e o trompete alucinante do africano tem um resultado avalassador.

Continuando, ouvimos Ikwunga, com Di Bombs. Galera da Nigéria, berço do Afrobeat, e que não nega a tradição, segurando a responsabilidade com toda a firmeza. A faixa faz parte da coletânea da Afrobeat Sudan Aid Project, para mais informações, vejam o link http://asap.calabashmusic.com/. Na caminhada, mais uma pedrada, Kokolo, com o som More Consideration, confirmando assim a hegemonia nigeriana. Por falar em Nigéria, ai vai mais uma, agora o afrobeatmen por excelência, Mr Fela Kuti e o som I.T.T. este cara dispensa maiores comentários.

Não deixando o ritmo cair, o batera Tony Allen vem na seqüência, com Home Cooking, faixa que traz backing vocals lascinantes. Na continuidade, um pouco de Afrofunk, com dois sons hipnodançantes, o primeiro de Peter King, Ajo, e em cima, Oneness Of JuJu com African Rhythms. Antepenultimamente o peso da Antibalas Afrobeat Orchestra e o som Payback África. Iniciando o encerramento, vamos de Afro Map Space com Franck Biyong and Massak. E por fim, um clássico, Gentleman, do grande Fela Kuti.

Bem, não gosto de falar muito e acho que já falei demais, por isso, dancem crianças, esta é a única salvação. Huahuahuahuahuahuahua.

AfroFunkBeat

Intro - Baba Olajagun - Libation for Fela
01 - Femi Kuti – Sorry, Sorry
02 - Hugh Masekela - The_Boys Doin It (Carl_Craig remix)
03 - Ikwunga - Di Bombs
04 - Kokolo – More Consideration
05 - Fela Kuti – I.T.T.
06 - Tony Allen – Home Cooking
07 - Peter King - Ajo
08 - Oneness Of JuJu - African Rhythms
09 - Antibalas Afrobeat Orchestra - Payback Africa
10 - Afro Map Space - Franck Biyong and Massak
11 - Fela Kuti - Gentleman

[PLAY]